Envelhecer é revolucionário

Envelhecer é privilégio de quem vive muito, mas, infelizmente, não é sinônimo de viver bem. Vive bem quem colhe nesta fase as escolhas sábias que fez.

Envelhecer pode ser um tabu e um desafio para muitas pessoas, mas é a coisa mais natural da vida. Como diz a letra da música de Arnaldo Antunes: envelhecer é a coisa mais moderna que existe nesta vida. Pois, cada fase de nossa existência possui sua beleza e deve ser vivida com intensidade. É bem verdade que o discernimento e a maturidade que os anos acrescentam são adquiridos sem atalhos. Ou seja, não existe nenhuma maneira de driblar o inevitável impacto que os anos causam em nosso corpo. Contudo, o ser humano é espírito, tem uma alma e habita em um corpo. Por isso, ainda que não consigamos proteger o invólucro, temos que zelar pelo que permanece e é eterno. O verdadeiro cuidado, portanto, origina-se no interior e afeta o exterior.

O mundo globalizado e a era da tecnologia possibilitaram acesso à informação de forma simples e eficiente. Nunca antes como agora, ouviu-se falar tanto sobre a importância do exercício físico, da boa alimentação e da vida livre de excessos. Contudo, a população mundial continua sem dar a importância devida aos cuidados que permitem um envelhecimento saudável. Aliás, cuidar apenas do corpo, esquecendo-se de lidar com a alma e o espírito não é suficiente e nem eficaz. A velhice é a fase em que os abusos cometidos cobram a conta e, infelizmente, nem sempre é possível revertê-los. Fazer escolhas erradas faz parte de todo processo de aprendizado, já que, só não erra quem desistiu de aprender com a vida. Contudo, precisamos assimilar este aprendizado, evitando a perpetuação dos erros e de suas consequências.

“Envelhecer ainda é a única maneira que se descobriu de viver muito tempo.” Charles Saint-Beuve

A infância e a velhice

A infância é a fase da vida onde deveríamos usufruir de maior liberdade. Não a liberdade que o adolescente reivindica, nem aquela dos movimentos revolucionários. Mas, aquela atrelada ao fato que podemos sonhar, brincar e acreditar em um futuro brilhante. Na proteção de lares estruturados as crianças deveriam crescer e fundamentar sua personalidade e caráter no amor e na aceitação. Sabemos que na prática não é essa a experiência da maioria da população. Inevitavelmente esse mundo de conto de fadas só existe na ficção. A vida real apresenta um quadro bem mais complexo e desafiador do que este. E é exatamente nesta fase que as sementes da velhice começam a ser plantadas.

Não é a toa que as últimas memórias que somem de nossa mente são aquelas experienciadas na infância. Negligenciar os cuidados desta fase pode bem impactar negativamente a vida adulta e a velhice. Uma criança segura e que recebeu amor transforma-se no adulto equilibrado que envelhecerá com menos conflitos. Contudo, podemos recuperar as perdas da infância na fase adulta e também na velhice se encararmos os desafios como oportunidades de aprendizado e não tivermos receio de nos reinventar. O desaprender e o reaprender não deveriam ser privilégio da criança, o adulto sábio é aquele que encara este processo com naturalidade.

“Ao envelhecer, parei de escutar o que as pessoas dizem. Agora só presto atenção ao que elas fazem.” Andrew Carnegie

Sem medo de envelhecer

Quem teme o envelhecimento não aprendeu o suficiente com a vida. É provável que o temor esteja associado a alguma lacuna que não foi corretamente preenchida. Ou ainda, pode bem ser resultado de uma nostalgia exagerada. A velhice é a fase da vida em que os cabelos brancos coroam uma trajetória de erros e acertos, e que também revelam nossa capacidade de não se levar tão a sério. Aquilo que no passado assumiria proporções gigantescas é capturado por um olhar mais gentil e menos ansioso. E toda circunstância que exige adequação e conserto é resolvida com menos esforço físico e mais inteligência. A vida assume um rítmo menos frenético, não só pela limitação imposta pelo corpo, mas especialmente pela sabedoria absorvida.

A geração atual de idosos sobreviveu sem o auxílio do celular e do computador. Ela aprendeu a aguardar pacientemente pela chegada de uma carta, assim como pelo tempo necessário para revelar-se uma fotografia. Este é um dos motivos que a capacita a valorizar gestos simples, sofrendo menos com questões que sabe que o próprio tempo se encarrega de ajustar. A tecnologia encurtou distâncias mas também imprimiu um ritmo desumano ao cotidiano de algumas pessoas. Certamente os desafios de envelhecer da nova geração serão diferentes, mas não menos significativos. A verdade é uma só, todos os que vivem suficiente para envelhecer têm oportunidade de usufruir desta fase com mais ou menos sabedoria. Isto é, a velhice é a fase em que a soma das escolhas feitas é denunciada.

“Se o tempo envelhecer o seu corpo, mas não envelhecer a sua emoção, você será sempre feliz.” Augusto Cury

As mudanças e trocas

As mudanças que acontecem são mais evidentes no corpo do que em qualquer outra parte de nosso ser. Mas o invisível aos olhos é o que tem capacidade de sustentar as limitações apresentadas pelo corpo. As rugas são uma mudança e não precisam ser cobertas com maquiagem, elas são revestidas de serenidade e clareza. A visão física limitada é complementada com a ótica de um coração generoso e grato que enxerga coisas que os olhos não capturam. Os cabelos brancos não são mais cobertos com tinta, mas revelam a postura correta que estreita laços e desfaz conflitos, adquirida ao longo dos anos. A audição pode estar falhando mas oferece o ouvido atento de quem se importa.

As mudanças nada mais são do que trocas feitas e oferecidas. Trocou-se o que era passageiro e frágil pelo que tem valor eterno. Troca-se o que era urgente pelo que é importante. De maneira idêntica, troca-se com facilidade o sorriso e o abraço pela necessidade de estar certo. Usar o vigor da juventude para construir o alicerce da velhice é a coisa mais sábia que podemos fazer com nosso tempo. Por outro lado não é comum pensar nisso quando se tem uma vida inteira pela frente. Envelhecer não é nosso alvo, mas é nosso destino. No entanto, chegar neste destino com sabedoria deveria ser nosso alvo.

“Qualquer idiota consegue ser jovem. (…) É preciso muito talento pra envelhecer.” Millôr Fernandes

Amadurecendo sem envelhecer

Amadurecer não é sinônimo de velhice ou senilidade. Envelhecemos quando desistimos de nós mesmos e não usufruímos da sabedoria acumulada, a nosso favor.

Será que é possível amadurecer sem envelhecer? Acredito que sim. Amadurecimento é algo saudável, que nos acontece sempre que agregamos conhecimento a respeito de algo. Uma pessoa madura é aquela que aprende com as circunstâncias. É alguém que permite que a vida lhe ensine e que o tempo lhe molde. Maduro é aquele que não ignora o aprendizado por trás de cada circunstância cotidiana. Porque busca compreender o que nem sempre está explícito.

“A maioria das pessoas não cresce. A maioria envelhece. Elas encontram lugares de estacionamento, honram os seus cartões de crédito, casam, têm filhos, e chamam isso de maturidade. Isso é o envelhecimento.” Maya Angelou

O envelhecimento em geral reflete o oposto. Envelhecer é sinônimo de perda de vigor, de ausência de expectativa, pode significar abandono e solidão. Obviamente nosso corpo envelhece, e contra isso não podemos lutar, mas o envelhecimento precoce da mente é mais assustador do que o do corpo.  Quando temos uma mente ativa, menos nosso corpo sofrerá. Pois é a mente quem determina quanto do processo do envelhecimento do corpo nos limitará.

Lutando contra o envelhecimento da mente

Sabemos que nossa mente comanda nosso corpo. É dela que partem as orientações e coordenadas sobre as quais nosso corpo se molda. Existem estudos que comprovam que a recuperação de pessoas otimistas é mais rápida e eficiente do que a de pessoas pessimistas. Nosso cérebro tem plasticidade, isto é, tem capacidade de se reprogramar. Os que usufruem desta faculdade do cérebro, são os que amadurecem sem envelhecer.

A renovação ou reprogramação de nossa mente é determinante para que envelheçamos de forma equilibrada. Embora as limitações do corpo sejam reais e possam ditar alguma regra nova de comportamento, cabe à mente adequá-las. Gostar de si mesmo e se perceber de forma correta é essencial. Pessoas que não amam a si mesmas são incapazes de amar os outros. Portanto, o vigor e paixão pela vida não estão vinculados ao corpo e sim à nossa disposição mental.

Certamente os que se amam, cuidam melhor de seu corpo como consequência. Mas a recíproca não é verdadeira, já que comumente as pessoas fazem o inverso. Isto é, cuidam do corpo na expectativa de aumentar sua baixa-autoestima, mas os resultados não são duradouros. A ordem desta equação é começar de dentro para fora. Resolvemos nossos problemas internos e os externos são solucionados. Toda tentativa que ataque o exterior objetivando mudar o interior será frustrada.

“Ao envelhecer, parei de escutar o que as pessoas dizem. Agora só presto atenção ao que elas fazem.” Andrew Carnegie

Os que envelhecem sem amadurecer

Corremos o risco de envelhecer sem nunca amadurecer. O envelhecimento precoce da mente reflete diretamente no envelhecimento do corpo. Os que ocupam suas mentes com julgamentos e críticas, são os que não focam no que realmente importa. Aquilo de que nos alimentamos passa a fazer parte de quem somos. Essa é uma regra que se aplica à nossa saúde física, mental e emocional. Por isso, é importante vigiar em relação ao que permitimos que nossos cinco sentidos acessem. Já que, o pior envelhecimento é o da mente e contra este devemos lutar diariamente. 

Todos travamos batalhas com nossa mente, mas a derrota fatal acontece quando nos envergonhamos de quem somos. Quando atingimos este estágio de desânimo, nos transformamos em nosso pior inimigo. Em última análise envelhecemos quando nos cansamos de nós mesmos. Assim como acontece com as doenças auto-imunes, em que o organismo ataca a si mesmo, podemos estar nos auto-sabotando. Pensando em estar combatendo uma ameaça, podemos estar atacando a nós mesmos. 

A vergonha corrói aquela parte de nós que acredita que somos capazes de mudar. A capacidade de mudar é um fato. Portanto, não importa quão longe tenhamos ido na direção oposta, há possibilidade de recalcular a rota. Nosso GPS interno precisa ser recalibrado para que isso ocorra. Por isso, alimentar nossa mente com o que é saudável propicia o recálculo do trajeto, a partir do ponto do desvio. 

Deixando nossa marca nas pessoas

Os mais velhos deveriam ser fonte de sabedoria e orientação para a geração que os sucede. Infelizmente isso não é uma regra. Existem nações que honram os cabelos brancos de seus anciãos e os respeitam por questões culturais. Embora esta prática seja louvável e adequada, muito mais significado teria se fosse fruto de reconhecimento espontâneo. 

Porém ninguém que está nu, pode oferecer-nos vestimenta. Existe uma nudez explícita que precisa ser combatida, porque precisamos estar vestidos para poder ajudar outros. Igualmente importante  é perseguir com determinação nossa saúde emocional e física. Não sabemos tudo e temos o dever de fazer o melhor com o que sabemos. Quando amadurecemos em algum aspecto temos mais a oferecer e certamente menos a exigir.

Lidar com sensatez e equilíbrio com as mudanças hormonais e limitações de nosso organismo depende muito do que aceitamos como verdade. Temos capacidade de influenciar nossa geração com o que somos e com os sonhos que temos. Deveríamos nos sentir responsáveis por viver uma vida que deixasse marcas e que influenciasse a geração seguinte.

Os que envelhecem com sabedoria

Lamentavelmente muitos não se relacionam com a vida desta forma. O teto dos pais e avós deveria ser o alicerce dos filhos e netos. Aquilo que eles conquistaram de conhecimento e patrimônio deveria ser o ponto de partida de seus sucessores. Este é o curso correto de construção de nossa trajetória. Ninguém deveria partir do zero, todos deveriam ter uma base sobre a qual pudessem construir sua existência. Isto é obedecer o princípio da honra.

Por isso, a geração que entende isso deixa um legado e não será lembrada pelo que não conquistou e sim pelo aprendizado e modelo em que se transformou. Pessoas nem sempre lembram exatamente o que fazemos, ou dizemos, mas sempre lembram de como as fizemos sentir. O importante não é conhecer todas as respostas, ou ser alguém que está em destaque o tempo todo.

A maturidade agrega conhecimentos que repartimos de forma inconsciente. São discursos sem palavras que atraem a atenção dos olhares atentos que buscam sabedoria. Os que compreendem isso amadurecem e são eternos aprendizes, por isso, não envelhecem. Os jovens de mente jamais envelhecem, ainda que amadureçam. Mas os velhos de mente talvez nunca amadureçam, porque ignoram sua identidade e valor.

“Se o tempo envelhecer o seu corpo mas não envelhecer a sua emoção, você será sempre feliz.” Augusto Cury